Mussa Dabo, vulgo Mussa ‘Cowboy’!

Mussa Dabo, mítica e carismática figura do então Liceu Honório Barreto,  é com toda a justiça hoje recordado neste espaço feito de memórias que nos trazem momentos de saudade e nostalgia.

Por tudo quanto Mussa Dabo representa para uma geração de alunos desse liceu, dos quais  bem poucos serão os que dele nada tenham retido, Tatitataia sentiu-se no dever de redigir o presente texto em memória dessa saudosa figura. Vejamo-lo como uma singela e merecida homenagem.

Que o nosso Mussa Cowboy, repouse em Paz!

Porém, antes de abordar o sujeito, julgo absolutamente pacífico que lamente não haver, ainda hoje ( e por que não no sector de Bissau?), uma escola com o nome de Mussa Dabo, por modesta que ela fosse. Ficaremos na expectativa de ver um dia consumado esse acto de justiça.

A presente narrativa, enriquecida pela contribuição de muitos alunos dessa época, constitui como que uma colectânea de registos ocorridos há pouco mais de meio século. Muito do que aqui está escrito é fruto do relacionamento do vigilante Mussa Dabo, que com muita dedicação serviu uma instituição de ensino denominada Liceu de Honório Barreto, com os alunos que frequentaram essa mesma instituição.

Para os alunos cujos pais ou parentes Mussa tivesse conhecido em Bolama, sua terra natal, o nosso prezado amigo tinha uma resposta-padrão sempre que se aventurassem chamá-lo Cowboy: odja, ami n’mâti badjudéssa de bu mamé…ka bu léb’ssim! Se n’kontáu kriol, bu na lâba ku sete iágu, bu kána limpu! O mesmo que dizer: conheci a tua mãe em idade dos primeiros namoros. Portanto, aconselho que te portes bem para que não oiças umas quantas verdades que te farão perder o pio.

A patente Mussa Dabo!

No que me diz respeito, e o contrário seria de admirar, tenho a partilhar com os prezados leitores umas poucas estórias nas quais eu e o saudoso Mussa figurámos em posições nem sempre convergentes.

Comecemos pela mais corrente.

Mussa ia registando as minhas travessuras e, quando o seu ‘toleranciómetro’ atingia o tracinho vermelho, ele anunciava-me o veredicto que em crioulo, em mais ou menos palavras, queria dizer ter chegado o momento de levar essa minha colectânea de bons exemplos ao conhecimento do meu saudoso velho: bom! abó bú kabânta komplêta bú kinhôn. Ahóss bu nâ findidú kadêra na kassa, kilâ kâ tém nim nóss! N’na larga sôn n’bá tem ke bu papé, ki alguin ke gróss barriga, pam kontal fadjadu (com requintes, preciosismos…), kuma é buli ke bu ta buli, i ka de mininu ke mandadu pega skola.

Só si i ka ami Mussa: não me chame Mussa…

Melhor que ninguém, Mussa sabia como fazer uso do seu enorme talento para, com uma subtileza digna de registo, instilar nos ouvidos do meu saudoso pai um discurso muito bem orquestrado, veiculando por meias palavras as sanções que ele me julgava merecedor. Por exemplo, fazia chegar aos ouvidos do meu velho: se bu sibi kuma ke é bu fidju misti djugo de bola….com maior ou menor precisão; tu não imaginas como o teu filho ‘é mordido’ por futebol. E ficava assim plantada a ‘árvore das patacas’….

Devo dizer que esse virulento discurso acabava por me deixar completamente desarmado e numa posição pouco invejável…na medida em que, uma vez descodificadas e sobretudo interiorizadas as acusadoras palavras de Mussa, era um supermotivado Amílcar  que se apressava por chegar a casa!…

Com o velho chegado a casa… é que eu compreendia o ‘Ahóss bu nâ findidú kadêra…..’, essa espécie de profecia (…relato no qual se afirma prever acontecimentos futuros…) de Mussa, querendo sentenciar os meus atropelos às normas de boa conduta. E para mal dos meus pecados, Mussa raramente se enganou….

Recentemente licenciada em Lisboa, regressa a Bissau uma ex-aluna do Liceu Honório Barreto de nome Maria Dulce Almeida, mais conhecida por Dulce Almeida, para exercer nessa instituição de ensino, entre outras, a função de professora de Ciências Físico-Químicas, a partir do ano lectivo de 1968-69.

O facto da nova docente ter passado pelos bancos dessa mesma instituição de ensino liceal, despertou em Mussa uma enorme satisfação. Essa satisfação, acompanhada de uma indissimulável afeição, fez com que o relacionamento entre a nova professora e o funcionário Mussa se manifestasse de forma substancialmente diferente daquela que ele mantinha com os outros professores vindos de Portugal, então ‘continental’.

Era um relacionamento irrepreensivelmente informal.

Sempre que tivesse de se dirigir à Dra Maria Dulce Almeida, Mussa tratava-a unicamente por Dulce, coibindo-se de dizer Dra. Maria Dulce Almeida ou mesmo D. Dulce. Nesse relacionamento, entre o vigilante e a professora, estavam banidos os termos “doutora”,” dona”, “minha senhora” e quejandos.

Para Mussa, essa professora era a mesma Dulce que conhecera como aluna do liceu Honório Barreto. Portanto, para ele, a ex-aluna Dulce continuaria sendo a Dulce, e ponto final!

Com base nessa realidade a Dra Maria Dulce Silva Almeida, preparando-se para celebrar casamento no primeiro trimestre de 1969, decidiu muito naturalmente participar esse acontecimento a Mussa.

Radiante com a notícia, Mussa avança a mais natural das perguntas: Dulce posso saber quem é o teu futuro marido? Será alguém que eu conheça? A resposta não se fez esperar – Sim Mussa, estou certa de que o conheces muito bem. O meu futuro marido é o João Galvão!

Ao que um incrédulo Mussa reage de imediato: ai Déuss Dulce, ai Dulce bu ôssa udjuuuu. Éhhh! Má n’fâla: bu ka ôtcha ninguim fóra déss alguim? Bu kunci Galbôn mé?! Abó ke sibi la…Traduzido: ohhh Dulce, tu és mesmo ousada. Não te apareceu nenhum outro senão esse? Tens a certeza de conhecer devidamente esse Galvão? Tu lá sabes…

Mais uma com a patente de Mussa Cowboy!

Mussa atinge o apogeu da sua carreira na época do Dr. Alfredo Pequito que foi reitor, creio que no final dos anos 50 e no princípio dos 60.

A razão que está na base dessa ascensão não é outra senão a quasi ilimitada confiança que o reitas Alfredo Pequito depositava nele, pela sua dedicação e entrega e, sobretudo, pelos seus empíricos mas eficientes métodos de investigação, aqui e ali apimentados por um apurado feeling.

Conhecendo pela ponta dos dedos os traquinas, os buliduris desse estabelecimento de ensino, Mussá servia-se dessa experiência e da sua refinada intuição para, desde o início de qualquer pesquisa, poder visar um número mais reduzido dos suspeitos mais vocacionados para o tipo de transgressão em causa.

Esse trunfo permitia-lhe reduzir consideravelmente o escopo dos possíveis suspeitos, e chegar ao faltoso (ou faltosos) num espaço de tempo relativamente curto, com uma louvável percentagem de sucesso.

A cumplicidade e a qualidade do relacionamento entre o Dr. Alfredo Pequito, Mussa e seu fiel adjunto Malam evocam-nos a romancista britânica Agatha Christie.

Efectivamente, com um omnipresente Alfredo Pequito no topo de uma muito bem hierarquizada coligação de que faziam parte um Mussa assumindo, na perfeição, o papel do célebre detective belga Hercule Poirot, imortalizado pela literatura policial da mencionada romancista, e um Malam na pele do não menos famoso capitão inglês Arthur Hastings, melhor amigo de Poirot e seu parceiro inseparável, a instituição liceal Honório Barreto tinha sobejas razões para se orgulhar da qualidade desse núcleo de devotos profissionais.

E que não restem dúvidas…

Consequentemente, a probabilidade de uma transgressão aos preceitos estatuídos ficar impune era praticamente nula quando esta sui generis coligação decidia actuar à imagem de uma agência de Serviços de inteligência e contra-espionagem! E eu que o diga…

Mas não percamos Mussa de vista…

António Pedro Almeida, um dos que também se orgulha de ter pertencido à tal turma B do 3° ano do lectivo 1958-59, também fez parte do enorme plantel dos lesados pelo empenho e zelo de que o nosso Mussa fazia uso no exercício das suas funções.

O estudante, quero dizer o aluno António Pedro Almeida, conhecido  por Tony Almeida, é apanhado nas malhas de Mussa por ter diligentemente tentado imitar a assinatura do pai, o saudoso senhor Paulino Almeida.

Essa fraude foi descoberta pelo não menos zeloso funcionário, o saudoso senhor Raul Cabral, mais conhecido por Raulinho, que se aprontou a disponibilizar essa preciosíssima informação a um zeloso Mussa que soube, sem desperdício de tempo, fazer bom uso dessa relíquia…

Na posse de provas irrefutáveis que deixavam Tony Almeida em maus lençóis, Mussa, num estilo ex Cathedra, reza esta missa a Tony: rapassinho, bu sibi ké, bardadi sabi konta…abó bu mufna. Má mufna ke bâli. Ahóss bu na fika bu sibi kuma e ka tudu kóboy… ke ta séta lébssimenti!

Ahóss bu na matil, só si ka ami Mussa!

N’na pértu bu papé n’puntál: homi garandi, bu fidju fala Pikito nha chefe, kuma abó que scribi bu nomi na éss karta de falta. Djubi driiiiitu bu kontam se éss i abó ke scribi li. E juntando o útil ao agradável afundou o prego: homi garandi tem passéeeeença, pâpia ku bu fidju. Ké ki fassi abó própi bu sibi kuma i ka bonitu. Ésss i tempu pâ i pára um biáss éss koldade manera…

É obvio que com esse discurso extremamente elucidativo e sobretudo galvanizador…, o nosso Tony não pôde escapar a uma pesada sanção. Viu-se por algum tempo privado de passeatas, idas à UDIB, das tão apreciadas peladinhas….e seguramente de bem mais.

Mas de Mussa, por muito que se conte mais fica por contar…

O meu irmão Hugo Henrique Galvão dos Reis Borges, o Gui para os colegas dos tempos do liceu Honório Barreto e Hugo Borges para os demais, de regresso da sua pós-graduação em Sarajevo na Jugoslávia, cruzando Mussa numa rua em Bissau, fez questão de cumprimentá-lo. Este, radiante por ver um dos seus meninos de regresso, não só falou dos tempos desse liceu como também quis, em conversa absolutamente informal, saber dos projectos do meu irmão, da família e do corriqueiro.

E foi a meio dessa conversa amena que Mussa se mostra algo surpreendido em saber que o Gui é meu irmão. E ainda sobre o efeito dessa inesperada surpresa desanuvia: pára brinkadêra! Bu misti falâm kuma abó ku Galbôn bô sédu armon na um mamé ku um papé?’ Abô, dé di mininu bu sédu alguin drito, drito, drito. N’náaaa, bu ka pudi sédu armon de ki mufnado.

E passando esse discurso ao português não estamos longe do seguinte: deixa-te de brincadeiras! Tu não estás querendo dizer-me que és irmão, de pai e mãe, do João Galvão? Tu, que sempre foste um miúdo às direitas, não podes ser irmão desse indisciplinado-mor que dificultou a vida de contínuos e demais pessoal do liceu do vosso tempo.

E assim findaram essa conversa com um Mussa relatando as minhas traquinices e façanhas enquanto aluno do liceu e enaltecendo o comportamento exemplar do meu irmão enquanto estudante desse mesmo estabelecimento de ensino.

O parágrafo anterior confirma a ideia por mim defendida de duas categorias de educandos nesse estabelecimento de ensino secundário: alunos e estudantes, em proporções nada equiparáveis, sendo a  segunda categoria obviamente mais fácil de identificar e contabilizar…

Indo longa esta narrativa, que nunca será exaustiva, em relação à mítica figura que foi o saudoso Mussa Dabo, vulgo Mussa Cowboy, vou findá-la com o registo, que me lembre, de um dos muitos desafios, quiçá o último, que pressionei Mussa a enfrentar.

Esta narrativa merece a melhor das atenções…

Tal como aconteceu com o meu irmão no pós-independência, ao cruzar Mussa algures em Bissau, faço sinal para que me conceda uns minutos de conversa. Logo que desci da viatura disse-me de imediato: Galbôn, n’kunsiu dé, djubi dritu kê ke bú na bim kél… Um pré-aviso bem significativo!

Com as devidas cautelas e  num discurso bem musicado… tentei motivar Mussa a falar com um alto dirigente do Ministério de Educação Nacional com o propósito de solicitar uma modesta promoção que lhe permitisse uma eventual  subida de letra no quadro da função pública, de modo a possibilitar-lhe uma reforma mais desafogada.

Disse-lhe: Mussa, repara que quase todos os quadros dirigentes desse ministério passaram pelas tuas mãos enquanto alunos ou estudantes do ex-liceu Honório Barreto.

Com esse argumento tentava fazer-lhe ver que, a priori, não havia razão ou razões para que não levasse essa iniciativa avante. Tens o direito MORAL e não só, de formular esse pedido. Na tua posição, eu não hesitaria. Má ké ke bú médi, incitava eu!

Não tardou em responder dizendo: Bú sibi Galbôn é guintis, ora ke é panha pustu é ta diskici ké ke passaba na ki tempuba. O que quer dizer por outras palavras: Sabes Galvão, as pessoas quando chegam a lugares de chefia esquecem-se do passado…

Entretanto lá consegui ‘mobilizá-lo’ para essa missão. Suficientemente encorajado, prometeu dar andamento a esse projecto logo que se lhe deparasse a primeira oportunidade.

Meses volvidos, volto a cruzar-me com o Mussa num ponto da marginal que conduz à alfândega.

Peço ao condutor para que pare o carro e dirijo-me a Mussa, curioso por saber o que teria conseguido na sequência da minha anterior sugestão. Confesso não ter tomado as necessárias precauções quanto à qualidade da resposta…

Sem pestanejar, a resposta não tardou: Bú sîbi kê ké falâm? Kuma ki pustu ke n’pidi alguim djumna i tômál. Retorqui: má éss i kim ke toma ki pustu?

Galbôn, n’faláuba kuma é guintis ka bâli. Bú misti sibi kim ke é pui na ki pustu? N’Bom, fika bu sibi kuma BU PÁPÉ ké pui na ki pustu. Sacana de merda…

Dessa reacção, que traduz o que o nosso saudoso Mussa possuía de mais genuíno, o leitor sem muito se esforçar concluirá: 1. Que o pedido foi rejeitado, 2. E que muito naturalmente… Mussa terá ficado meio, senão inteiramente, convencido de que o aluno Galvas, que ele tão bem conhecera nos tempos do liceu, tê-lo-ia, malevolamente, induzido a apresentar aos seus superiores uma proposta inaceitável…

Entretanto, posso assegurar-vos que, na altura, eu acreditava que pudesse haver margem para um gesto, por pequeno fosse…

Muito mais fica por contar sobre essa saudosa e mítica figura!

Repousa em paz, querido Mussa Dabo!

Anúncios

6 thoughts on “Mussa Dabo, vulgo Mussa ‘Cowboy’!

  1. Mais um excelente texto, rico de peripécias, que espelham essa figura incontornável do Liceu de Honório Barreto, Mussa Dabo. Quem teve a felicidade de conheço-lo, ao ler este delicioso remake, sentiu-se transportado para esses distantes dias e, seguramente, que foi capaz de voltar a divisar a imponente imagem do Mussa nos corredores do liceu, distribuindo sorrisos e ralhetes.
    Obrigado João por continuares a surpreender-nos e encantar-nos com as tuas maravilhosas estórias.
    Abraço

  2. Gostei imenso e fiquei emocionado com esta tua homenagem ao nosso Mussa Dabo.

    Saudades desses tempos meu Amigo.

    Abr.

    joão Armando

    ________________________________

  3. MUSSA DABÓ: memórias de um homem do bem.

    Neste momento, 01:28h da manhã, horário de Mato Grosso, uma hora a menos do horário de Brasília, estou sentado, sem sono, fazendo uma leitura serena do assunto a ministrar no Curso de Extensão Universitária oferecido aos meus alunos da Turma de Ciências Contábeis. Entretanto, antes de começar o preparo da aula tive a grata satisfação de ler mais umas crônicas de João Galvão – Tatitataia – só que desta vez são passadas (estórias) memoráveis sobre Mussa Dabó, o eterno bedel do Liceu Honório Barreto.
    João valeu a pena eu parar uns minutinhos para ler as estórias do meu tio Mussa (Cowboy) Dabó – Chefe do Pessoal Menor. Dizia-nos que foi o Reitor José Brandão que o promoveu a esse cargo. Eu que comecei tarde o Liceu (1973), ainda o encontrei aí. Mussa Dabó, quando me encontrava ou me via passar junto a ele, perguntava de imediato, sobrinho bu ticin cola? si ka sin na kontau passada de Bolama. Eu como não estava interessado ouvir obre a badjudessa da minha mãe, entregava-o a noz de cola ou prometia fazê-lo no dia seguinte. Ele virava para os assistentes ávidos de ouvir mais umas dele e dizia. “Quê bo pensa kuma na falal mal, munturussis. Es si família i fidalgo, si mame un cunsil menina na bindi moni pa nós na purtu de BLAMA.” rsrrss. As vezes quando ia para a feira grande (feira da praça) com a minha mãe passávamos pela porta da casa dele em Pilum di riba, perto de Gâ Geba, ele gritava para a minha mãe, “Mariamazinha”, ou as vezes, “Mariama Dalanda, anta bu ka odjan, si ami n’koba bu homi i kana limpu”. Depois virava para mim e dizia, “nha fidju tapa oredja, pabia garandis na djumbai”. Mussa Dabó era isso para os conhecidos. Não se consegue esgotar conversa sobre ele e sobre suas saídas anedóticas do dia a dia com seus conhecidos ou com os meninos do Liceu que o desafiavam. Acho que João Galvão ainda vai lembrar de mais passadas para contar.
    Lá i lah, vixe maria, a minha aula de hoje! “Sol na mansi djá, Garandi, peran dê pa ka mininu bin faci puku di mi na sala de aula, purssor na gagussa”.
    Um bom dia para todos os queridos Tatitataianos.

    Mamadu Lamarana Bari

  4. Meu caro João Galvão: Pasmo que passados tantos anos recordes tão fielmente esses tempos como se tivessem sido ontem! Realmente há pessoas extraordinárias!
    Um abraço e até breve
    João Ramiro Firmino

  5. Galvas, fiquei emocionado pois, fui da última geração de buliduris do LHB e, também tive peripécias de bradar…. Recordo com saudade, a HOMENAGEM , que a tua geração (pioneiros do Liceu), lhe prestaram nas comemorações dos 25 anos da Instituição !!! Foi das coisas mais belas que vivi naquela nossa casa mãe. Depois de ler a tua crónica, fiquei desapontado pois, numa tarde, sentados nas escadas do Ginásio, falavas se já do pós independência, Mussá, com o seu entusiasmo falava dos nomes a atribuir às Ruas de Bissau…. Afinal, o nosso educador nº 1 ficou sem a sua merecida recompensa do MEGB. Ficou-me a saudade com o forte abraço de despedida que lhe dei aquando do levantamento da minha transferência escolar para o Liceu de Faro…. “Mininu bu na dissa bu terra ??? Bu buli, bu tchumba, bu findidu cadera nakil hora pabia Zé Bedanda ka ta brinka” !! Palavras para quê ???

  6. És um prodígio de memória, meu caro irmão Galvas – aqui deixo de lado o colaço -não vá induzir alguém a pensar que fomos amamentados pela mesma mãe. Diz-se que as palavras são como as cerejas. Contudo usá-las numa narrativa com a finalidade de descrever acontecimentos ocorridos há mais de 50 anos, constitui um privilégio reservado a muito pouca gente. Acresce ainda que a narrativa contém em si mesma o espírito e a natureza do seu autor que em inúmeras edições do Tatitatia nos dá a percepção exacta do contexto em que os episódios sucederam, isto é, obriga-nos a constatar que à época, pese embora todas as traquinices dos “meninos bulidores do Liceu de Honório”, a aquisição do conhecimento e do saber não era uma questão marginal à sociedade daquele tempo. Professores, alunos e encarregados de educação ligados por uma invisivel mas eficiente teia de interesses no que concerne ao funcionamento e eficácia do ensino então ministrado. Eu frequentei o curso nocturno no Liceu de Honório Barreto e não fui, por isso, protagonista de episódios que merecessem referência especial, mas através do Tatitataia e da pena de ouro do nosso Galvas experimento a sensação de fazer parte daqueles que no curso diurno fizeram a história da juventude do seu tempo e de um estabelecimento de Ensino Secundário onde se forjaram gerações de jovens capacitados, inteligentes, aptos e competentes. Tal como o Mussá Dabó (Cowboy) também tivemos no ensino primário e Escola Central Dr. Oliveira Salazar “elemento do corpo discente” ele também célebre, de seu nome “CAMBANCO”. Um efusivo abraço irmão.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s